Blasfémia

Blasfémia

  • $6.00
  • Épargnez $7
Taxes incluses. Frais de port calculés à la caisse.


Este é o relato impressionante de Asia Bibi, uma paquistanesa que há dois anos espera pela ordem de enforcamento, simplesmente por ter ousado partilhar um copo de água com outras mulheres.
Duas das vozes que ousaram defendê-la, o governador Salman Taseer e o ministro para as Minorias Shahbaz Bhatti, foram brutalmente assassinados. O Papa Bento XVI pediu a libertação de Asia Bibi e congrega-se em todo o mundo um grande movimento que conseguiu, para já, adiar o seu enforcamento.

Impressionada com a sua história, a correspondente francesa do canal televisivo France 24, Anne-Isabelle Tollet, decidiu dar voz ao sofrimento de Asia Bibi, passando para o papel este extraordinário e horrível relato na primeira pessoa.
Uma aldeia no centro do Paquistão, perto de Lahore. A temperatura chega aos 40ºC e as mulheres trabalham nos campos. Entre elas está Asia Bibi.

Asia tem sede. Ela tira um balde do fundo do poço, despeja um pouco de água numa velha xícara de metal e bebe até ao fim. Enche de novo a xícara e oferece-a a outra mulher a seu lado. É nesse momento que assina a sua sentença de morte.
Asia é cristã e a chávena de metal pertence às suas amigas muçulmanas. Ao mergulhar de novo a chávena no balde depois de ter bebido nela, Asia sujou a água. Depressa se começou a falar de blasfémia. Asia é condenada, sentenciada à morte. Por enforcamento. Tudo por um copo de água.

Há já dois anos que Asia está na prisão, à espera de ser executada.
Quer o governador Salman Taseer quer o ministro para as Minorias Shanbaz Bhatti, que a tentaram ajudar, estão agora mortos - assassinados. Estes acontecimentos chocaram e indignaram o mundo inteiro - o Papa Bento XVI falou publicamente em apoio a Asia e Bhatti chegou a encontrar-se com Hillary Clinton antes da sua morte, para discutir o caso.

Hoje, somente o marido e o advogado conseguem vê-la, em condições muito difíceis e apenas através de um ecrã.
Nos últimos meses, por detrás das grandes paredes da prisão onde Asia vive em condições sub-humanas, pessoas sem nome (para protegerem a própria segurança) ajudam a passar a sua palavra cá para fora. Asia Bibi está a pedir ajuda. Durante este tempo, e sempre que as condições de segurança o permitiram, cada capítulo do manuscrito foi-lhe apresentado. O texto deste livro contém o seu total acordo e apoio à sua publicação.

Este é um relato extraordinário na primeira pessoa, um pedido de ajuda tocante.




Nous vous recommandons également