LOGO

Alêtheia Editores

 

 

 

Senhor Presidente da APEL João Alvim,

Senhor Director Geral do Pingo Doce Luís Araújo,

Queridos membros do Júri,

Caros concorrentes,

 

Minhas senhoras e meus senhores,

 

Chegámos ao fim da primeira fase do Concurso de Literatura Infantil que em boa hora o Pingo Doce decidiu criar em termos e moldes sem precedentes. O Júri escolheu o texto vencedor e vamos anunciá-lo.

Cabe-me, enquanto presidente do Júri, explicar os critérios seguidos e fazer um breve balanço das candidaturas.

Permitam, porém, que, antes disso, faça uns breves agradecimentos.

Agradeça, antes do mais, ao Pingo Doce, na pessoa do seu director-geral Luís Araújo - e, através de si, ao Presidente do Conselho de Administração da empresa, Pedro Soares dos Santos -, esta fantástica iniciativa: patrocinar e organizar um prémio de 50 mil euros para a escrita e a ilustração de uma história infantil de novos autores, acrescida da garantia da publicação do livro com uma tiragem de 10 mil exemplares. Tal iniciativa não tem precedentes em Portugal e, mesmo no estrangeiro, não conheço prémio desta dimensão para autores de livro infantil.

Deixem-me, porém, sublinhar que este prémio vem no seguimento do muito trabalho que o Pingo Doce tem feito na divulgação e na edição de livros para crianças. Esse apoio à literatura infantil não resulta, como é evidente, de meros critérios economicistas, não são eles que levam a que o Pingo Doce tenha uma tal atenção às necessidades de leitura das crianças portuguesas. São critérios culturais, educacionais e humanos que fazem com que o livro infantil tenha lugar privilegiado nas prateleiras dos Supermercados. Ainda recentemente, tal ficou eloquentemente demonstrado, quando assinalaram os 40 Anos do 25 de Abril com a oferta de um livro às crianças que foram com os pais a um dos seus supermercados, em qualquer ponto do país. Significativamente, um livro que tinha por título Liberdade e o outro Esperança.

Queria, porém, sublinhar que este gosto pela literatura dos responsáveis por um negócio de distribuição alimentar não é inédito. Espero que não se zanguem comigo por fazer uma tão grave afirmação. Cesário Verde, um dos maiores poetas portugueses, que alguns consideram mesmo maior que Pessoa, como o recém-falecido Vasco Graça Moura, era empresário do mesmo ramo com uma loja de ferragens e de alimentos, de importação de frutas e exportação de vinhos portugueses na baixa de Lisboa. Foi, aliás, para exportar vinhos portugueses, como sabem, que viajou até Paris.

 

Minhas senhoras e meus senhores,

 

Desde a primeira reunião do júri, que percebemos que íamos receber umas centenas de histórias vindas de todo o Portugal. Tal certeza vinha da percepção de sermos um país de escritores, de sabermos que muitos sonham com o dia em que conseguirão editar um livro, ou do convidativo valor do prémio. Creio que se radicava sobretudo no facto de sabermos todos que as mães, pais ou avós contam histórias aos filhos ou aos netos. Ouvir histórias não é certamente, um direito consagrado na Constituição da República, mas penso que todos estamos de acordo em reconhecer que é um inquestionável direito da Criança ouvir uma história para adormecer ou para comer a sopa.

Tudo isto é evidente e sabíamos que ia ser assim. Mas recebemos 1527 histórias! Repito 1527 histórias. Vieram príncipes e princesas de todo o lado, e assim percebemos que num país republicano, reis e rainhas, príncipes e princesas, enchem o imaginário das crianças. Curiosamente constatámos que não recebemos nenhuma história sobre filhas ou filhos de Presidentes da República. Chegaram muitas fadas, muitos pais natais, muitos planetas e numerosas estrelas, e muitos bichos, toda a espécie de animais. Recebemos gatos, ganharam os gatos. Muito mais bichanos do que de cães. Recebemos numerosas rãs e tartarugas, patos e raposas. Vieram vampiros, dragões e, até, imaginem, bruxas. Muito mais bruxas do que fantasmas. Poucos fantasmas, curiosamente. Conclui-se que os fantasmas já não assustam ninguém e estão em triste decadência e baixa cotação no imaginário infantil.

 

Porém, as bruxas, essas vieram de pen e não de vassoura e encheram-nos o computador. Até ficámos a saber que as bruxas nascem quando três meninas malcriadas espirram ao mesmo tempo no recreio da escola.

Nalgumas histórias percebia-se um Principezinho, ou uma Alice, uma fada Oriana ou um patinho feio. Noutras, sentíamos um Harry Potter; e, até, imaginem, em duas ou três, a troika foi explicada às crianças em histórias certamente muito mais aterradoras que as de bruxas ou de fantasmas. A imaginação não teve limites.

 

Em mais de uma centena de candidaturas, aparecia o Pingo Doce, ou noutras os nomes de membros do júri. Não posso deixar de citar a rã Zita, concorrente com princesas Isabeis, Saras ou príncipes Eduardos. Todas as histórias foram lidas com isenção e objectividade, porque tal facto não vêm certamente da ideia peregrina de meter uma cunha ao júri, mas é resultado da muita imaginação que todos os concorrentes demonstraram nas histórias que enviaram e da alegria e entusiasmo que puseram na sua escrita.

Não haveria problema, porque se uma delas ganhasse, o revisor proporia ao autor mudar Pingo Doce para “Pérola do Bulhão” ou Biedronka, por exemplo, e a história poderia ser vencedora.

La Fontaine, Ésopo, ou Saint-Exupéry andam por aí nas estantes de muitas casas, o que nos deu uma grande alegria num país com poucos hábitos de leitura.

Foram muitas histórias de ternura, muitas de avôs ou avós. Se tivesse que dizer o aspecto dominante comum a estas cerca de 38 mil páginas que recebemos e li, salientaria a presença doce dos avós nas casas portuguesas. Foi comovente perceber como são uma referência nesta amostragem. Direi mesmo uma referência dominante e em nenhuma história os meninos iam visitar os avós aos lares, onde estavam depositados, como nas páginas inesquecíveis do Para Sempre de Vergílio Ferreira.

38 mil páginas, repito, e o júri só teve a noção do imenso sucesso deste concurso, não quando a fantástica equipa do Pingo Doce - a quem agradeço do coração (à Ana Alves, à Fátima e a muitos outros) - que recebeu, verificou, confirmou, passou a computador e ordenou estas mais de mil e 500 histórias candidatas, quando no último dia me enviaram uma fotografia fantástica de vários carrinhos de supermercado cheios de pens. Graças a Deus, caro Luís Araújo eram pens, porque se fossem papel tínhamos certamente recebido a fotografia de um camião do Recheio com paletes de textos.

Foi difícil ao júri escolher a história vencedora, porque na sua generalidade eram muito trabalhadas e mostravam um grande esforço dos concorrentes. Escrever é sempre um exercício difícil e moroso e, neste caso, os concorrentes esforçaram-se muito para enviarem os seus textos, tanto mais que eram todos primeiras obras. Deixem-me dizer que recebemos textos de todo o país, regiões autónomas incluídas: 25% foram homens a candidatar-se o que é um curioso número, porque eu diria, à priori, que eles quase não se candidatariam, preconceito meu - foram um quarto dos textos candidatos. As candidaturas abrangeram todas as idades. Deixo alguns números: dos 16 anos aos 19, 6%; dos 20 aos 29, 16%; dos 30 aos 39 são 31%; dos 40 aos 49, 28%; e as restantes representam 20% das candidaturas. Ou seja, entre os 30 e 50 anos estão a maioria dos candidatos, 59%.

Uma história venceu porque sobressaiu de todas as outras. Mas é uma evidência que muitas poderiam e mereciam igualmente ganhar. Procurámos, porém, uma que tivesse o raro condão de conseguir associar a escrita terna e doce ao humor e que, em simultâneo, se evidenciasse pela originalidade. Este critério não excluía, bem pelo contrário, desafiava a capacidade do escritor de recriar temas batidos, com a frescura da novidade. A história vencedora tinha que conseguir despertar o imaginário infantil e ser como que um convite ao sonho.

O desafio era grande porque tratou-se de escolher um texto que vai ser editado em livro, em livro papel e vai concorrer com o audiovisual, com as múltiplas formas de animação que a criança vê diariamente, com o simples gesto de se sentar, passiva a ver um dos múltiplos canais das televisões, ou frente a consolas de jogos ou a ecrãs de tablets. A leitura de um livro, pelo contrário, implica esforço, muita atenção e grande capacidade de imaginação, o inverso da passividade encontrada no sofá frente ao televisor, sobretudo, mas também ao tablet ou ao vídeo. É uma concorrência difícil e todos eles são meios importantes no desenvolvimento da criança. Mas isso obriga a que a história escrita tenha que ser capaz de se impor à vontade e ao gosto da criança.

Procurámos, pois, uma história que não fosse tão grande que dificultasse a ilustração, mas, pelo contrário, suscitasse o interesse e a vontade dos ilustradores em apresentarem os seus trabalhos, ou seja, pictórica. Na verdade, escolhemos um texto capaz de incentivar a imaginação dos candidatos ao prémio de ilustração, pela forma da escrita e pelo conteúdo desenvolvido, mas também pela musicalidade que sobressai do ritmo do texto premiado.

Procurámos uma história que estabelecesse uma relação de proximidade com o leitor, desmistificando o sentimento de medo, transformando-o em alegria; que fosse escrita numa linguagem viva, sem premiar estereótipos, mas apelando a padrões que são queridos às crianças. Ganhou uma, que como todos os bons livros - desculpem o lugar-comum - prende a atenção do leitor desde a primeira linha até à última, sem perder nunca o ritmo narrativo. Pretendíamos também uma história com fim, nem que fosse «viveram felizes para sempre» e a vencedora termina de forma surpreendente.

Uma boa história infantil não necessita de ter à priori uma evidente lição moral ou comportamental. Precisa tão só de ser uma bela história. Digo isto com cuidado, pois estava no júri o Prof. Eduardo Sá que tanto tem escrito sobre a importância da inutilidade das boas histórias e as escritoras Isabel Stiltwel e Isabel Zambujal que fazem da escrita o maior gosto da vida. Considerou-se, sim, que a beleza do texto e o seu sentido lúdico são factores determinantes para criar nas crianças o gosto pela leitura e pela literatura. Procurámos, pois, ir ao encontro da imaginação com uma história capaz de estabelecer diálogo com a fantasia das crianças que a lerem, uma história envolvente que elas sejam capazes de contar por palavras suas e até de a recriar.

Foram estes os critérios fundamentais do júri, sempre sublinhados pela Sara Miranda, com o entusiasmo, a competência e a alegria que põe em tudo o que faz.

 

Minhas Senhoras e meus senhores,

 

Não exagero se disser que para todos nós este foi um trabalho imenso e em muito pouco tempo. Aguarda-nos a segunda fase e nem tenho palavras para imaginar o que nos espera, mas garanto-vos que foi dos mais espantosos trabalhos da minha vida de editora, rodear-me assim de tanta fantasia, tamanha imaginação e da alegria transbordante com que enviaram todas estas histórias, sendo que muitas delas, estou certa, nasceram a ser contadas lá em casa, aos filhos. Deste trabalho ficará um livro que muitos meninos e meninas vão ler. Mas ficará também para o premiado um novo caminho de vida aberta à escrita. Como disse o Principezinho ao velho senhor geógrafo que escrevia livros enormes: «finalmente encontro uma verdadeira profissão». Termino, sublinhando que, no centro de todo este doce trabalho, estiveram, porém, sempre as crianças. Elas são o melhor do mundo.

Como alguém escreveu: «A criança portuguesa é excessivamente viva, inteligente e imaginativa. Em geral, nós outros, os portugueses, só começamos a ser idiotas – quando chegamos à idade da razão. Em pequenos temos todos uma pontinha de génio.»

Eça de Queirós, in Cartas de Inglaterra.

 

Zita Seabra
Lisboa, 1 de Junho de 2014

Escrito por Afonso Reis Cabral — June 04, 2014

Deixe um comentário

Nota: Os comentários serão verificados antes de serem publicados.

BYDAS FOOTPRINT Agência Digital | Adwords Alternative | Design Porto | Diretório de Negócios